Como se divorciar sem afetar a vida dos filhos?

Como se divorciar sem afetar a vida dos filhos?

Por Lisandra Zanuto

Uma grande preocupação quando tomamos a decisão de nos separarmos é como ficarão nossos filhos. Como eles reagirão com o fim do casamento e como vamos lidar com essa nova condição dentro de casa. Acredite, se divorciar sem afetar a vida dos seus filhos vai depender de como você conduzirá essa situação.

Leia também: 

11 dicas que toda mãe solteira precisa saber!

10 dicas infalíveis para seus filhos não sofrerem na separação! 

 

O divórcio no Brasil vem crescendo a cada ano, em 2015 foram registrados 357,7 mil, segundo o Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatística, IBGE. Sabemos que a Lei do Divórcio chegou ao país em 1977 e já em 1994 já foram registrados 94,1 mil casos. Em 2004, com 130,5 mil casos foi registrado um aumento de 38,7%. 

E você sabe porque tudo isso? Simplesmente porque não somos mais obrigadas a viver uma relação que não seja mais saudável para a gente. Antigamente centenas de mulheres viviam em um relacionamento abusivo, muitas vezes agressivos, por não acharem “certo” a separação, pela sociedade não aprovar atitudes como o divórcio.

Com esse crescimento muitas famílias foram conhecendo novo formato de convivência, onde o pai e a mãe não vivem mais sob o mesmo teto. Mas até isso acontecer, muitas situações acontecem que acabam envolvendo os filhos. 

Quando um casal se separa todo mundo envolvido acaba sofrendo junto. Seja o homem e a mulher, independentemente de quem tenha terminado, ou os filhos quando o casal tiver. Definitivamente, acaba ficando difícil para todo mundo.

Mas como passar por essa fase sem machucar as crianças? Como se divorciar sem afetar os seus filhos? Saiba que isso é possível e,  para te ajudar listei 7 dicas para que você consiga deixar as crianças mais tranquilas em relação a separação e passar por essa fase sem traumas marcantes em suas vidas.

1 – Eles não precisam saber todos os detalhes

 

Dê ao seu filho somente as informações necessárias sobre o que está acontecendo, o que esperar daqui para frente e onde o papai e a mamãe vão morar. Não tem necessidade nenhuma de discutir detalhes do porquê que isso aconteceu.

É bom para a criança ouvir que às vezes as pessoas são mais felizes quando estão separadas do que quando estão juntas. Mas ela não precisa, em hipótese alguma, saber que fez o quê ou deixou de fazer, independentemente da besteira que o seu ex companheiro tenha feito (ou até mesmo você), pois isso pode ser degradante para o futuro de uma criança, além de machucá-la muito para o resto da vida.

2 – Diga a eles que a culpa não é deles

 

Isso vai muito além de apenas não falar sobre os detalhes do que aconteceu e se estende até os seus sentimentos pessoais. O egocentrismo da infância é real e existe mesmo, por isso, muitas vezes eles não são capazes de internalizar que coisas e pessoas existem independentes uma das outras.

Eles muitas vezes vão culpar-se por tudo, incluindo o divórcio dos seus pais. Por isso,  é bom explicar que eles não são culpados pelo o que aconteceu e está acontecendo na vida do papai e da mamãe. Não preciso nem dizer que você terá que ter muito tato para ter essa conversa com os seus filhos, não é mesmo?

O ideal é que você entre em um acordo com o seu ex companheiro sobre o que deve ser dito para a criança e usem o mesmo discurso para que ele não fique confuso. Combinado?

3 – Faça terapia

 

Nesta fase é muito importante que você tenha uma ajuda de um especialista. Você e seus filhos, vale ressaltar. É necessário que eles tenham um espaço para sentir-se seguros e também para poder compartilhar tudo aquilo que eles estão sentindo, como raiva, tristeza, medo e decepção.

Procure fazer suas seções separadas, deixe-os irem sozinhos, só vá junto se o médico ou a própria criança pedir. Não os force a nada e tente explicar a importância de dividir essa dor com uma pessoa que saberá como ajudá-los e que poderá todas as dúvidas que eles venham a ter.

4 – Não transforme o seu filho em seu confidente

 

Eu sei que isso parece óbvio, mas quando você está sofrendo aquela dor e trauma da separação é tentador querer falar com o seu filho em um nível mais pessoal.

Lembre-se que eles são crianças, também estão sofrendo e processando seus próprios sentimentos e não terão tempo e nem capacidade emocional de processar os seus. Deixe a função de confidente para uma amiga, familiar ou para o próprio terapeuta.

5 – Manter um relacionamento saudável com o ex

 

Sei que isso não é uma tarefa simples e muito menos fácil, mais infelizmente é vital. Você só poderá desprezá-lo se caso ele tenha sido um pai abusivo com os seus filhos, fora isso, jamais esqueça que esse homem sempre será o pai das suas crianças.

Seja cordial e o respeite sempre, independentemente de qualquer coisa você é adulta, se casou com esse homem, teve filhos e, em muitos momentos, foram muito felizes.

Lembre-se que seus filhos não escolheram esse divórcio e não é culpa deles o que está acontecendo. Ver você e seu antigo parceiro se relacionando respeitosamente como adultos maduros vai ser, na prática, algo super positivo que você precisa passar para que as crianças entendam que vocês conseguem viver melhor assim.

6 – Manter um relacionamento saudável com o ex, parte II

 

Este item é ainda mais difícil que o anterior. Tente compartilhar aniversários, pois eles são factíveis, diferentemente do que qualquer outra data. É muito saudável para as crianças poder dividir seus aniversários com o pai e com a mãe e claro, com as novas famílias deles (com a mulher do pai e com o marido da mãe).

Isso vale para as funções na escola também. Não há nenhum presente melhor que você possa dar ao seu filho que a oportunidade de comemorar o seu aniversário com o pai e a mãe juntos, de uma forma civilizada. Quando as coisas estão fluindo, não há nada que ajudará seus filhos mais do que a estabilidade que irão sentir ao ver seus pais se dando bem, sem discussões e brigas.

Sabemos que o divórcio nunca é fácil para ninguém, mas isso não significa que as crianças não vão se adaptar com isso, pois elas são ajustadas e precisam ser ensinadas o que é certo e o que é errado. Mas acredite, elas também vão crescer e aprender com essa experiência e, se ela for bem conduzida, vai ser muito bom para o desenvolvimento pessoal e de caráter dela.

7 – Pare de achar que manter um relacionamento não saudável seria o melhor

 

Muitas vezes casais mantêm um relacionamento achando que o motivo são os filhos, mas esquecem que essas mesmas crianças podem estar sofrendo por conviver em um ambiente onde os pais não se entendem, brigam e não se respeitam como deveriam.

Por isso nada de ficar pensando que seria melhor você continuar casada por achar que os seus filhos irão sofrer com a separação, pois, em muitos casos, eles estão sofrendo da mesma forma com uma relação que não é mais saudável.

Filhos do Divórcio

Há alguns anos atrás se falava muito dos filhos do divórcio e das consequências que uma separação podia ter na vida deles. Mas hoje em dia já sabemos que o que vai determinar como eles vão lidar com essa situação, depende mais de como você e o seu parceiro vão conduzir esse processo, do que o divórcio em si.

O que importa é o equilíbrio emocional e a segurança que você precisa passar para o seu filho, mesmo que o seu ex companheiro não colabore com você nesse processo. O objetivo aqui não é necessariamente restaurar a justiça daquilo que você considera justo ou reivindicar o direito de estar certa, o objetivo aqui é ajudar os seus filhos a se tornarem adultos bem resolvidos e saudáveis emocionalmente.

O Dr. Jonh Gottmann, autor do livro “Os Sete Princípios de um Casamento Saudável”, realizou uma pesquisa com 63 crianças em idade pré-escolar que viviam com os pais em lares onde existiam altos níveis de conflitos, e pode constatar que essas crianças apresentavam níveis de hormônios de estresse acima da média ao contrário dos níveis    encontrados em crianças que viviam em um ambiente seguro e harmonioso.

Depois de acompanhar o desenvolvimento escolar dessas crianças, ele pode ainda constatar que todas elas apresentaram, ao longo da vida distúrbios de autoestima, rejeição, baixo desenvolvimento escolares e distúrbio de ansiedade.

E não é isso que você quer para o seu filho, não é mesmo? Assim como você não aceita que as pessoas subestimem essa dor que você está sentindo, procure não subestimar a dor que o seu filho sente. Trabalhem juntos isso, aprendam juntos com tudo que a vida lhe apresentou, pois tenho certeza que ele acabará sendo o teu porto seguro, assim como você é e sempre será para ele.

Programa S.O.S Divórcio 

 

Você conhece o Programa S.O.S Divórcio? O programa foi elaborado justamente para quem está saindo de uma relação e precisa de ajuda de uma maneira emergencial. Curar as feridas de um relacionamento não é tarefa para depois, é uma atitude que deve ser tomada o mais rápido possível. Quando mais tempo você levar para encarar a sua separação mais tempo você irá adiar a reconstrução da sua vida.

Com ajuda do S.O.S Divórcio você terá ferramentas eficazes para se fortalecer como mulher, recuperar a sua autoestima e, claro, ter bagagem para elaborar o seu divórcio com mais assertividade. Em apenas quatro semanas, vou te ensinar recursos que te ajudarão a se desligar do passado, retomar o controle da sua vida,  te renovar emocionalmente e a começar uma nova etapa da sua vida. Clique aqui e comece agora!

Espero que tenham aprendido com as dicas do post de hoje, até o próximo artigo!

Com amor,

Lisandra Zanuto

 

Eu acredito que a dor da separação é o ponto de partida para a maior transformação da sua vida. Basta que você decida.

Preencha os dados abaixo e receba em seu e-mail conteúdo exclusivo.

Inscrição feita com Sucesso! Eu acredito que a dor da separação é o ponto de partida para a maior transformação da sua vida. Basta que você decida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *